Dezembro Laranja: Saúde alerta para os novos casos de câncer de pele no Estado
13/12/2022 - 11:47

Todos os anos surgem centenas de novos casos de pessoas com câncer de pele no Paraná. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA, 2022), para este ano, estimam-se 8.390 novos casos, quando se incluem todos os tipos de câncer de pele. Para a forma mais grave da doença, os melanomas, a estimativa é de 540 novos casos. Para chamar a atenção e conscientizar a população sobre o tema, inicia nesta quinta-feira (1º) a campanha Dezembro Laranja, uma iniciativa nacional de prevenção à doença.

“A prevenção e o diagnóstico precoce são as principais opções para conseguirmos diminuir a doença. Apesar de ser um dos tipos de câncer com maior taxa de cura, quando detectado em fase inicial, ainda se mantém com índices muito elevados”, alertou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.  

Em abril de 2021, a servidora pública Lucimar de Godoy foi diagnosticada com carcinoma basocelular, o tipo mais comum e menos agressivo do tumor. “Às vezes valorizamos uma pinta maior, que chama mais a atenção com uma coloração diferente ou saliente, mas chegando ao consultório, a médica especialista observou um outro sinal menor e cinza, e foi justamente nesse ponto que o resultado foi positivo”, alertou Lucimar. 

Depois do diagnóstico, ela realizou uma incisão no local onde estava o tumor para retirá-lo, assim como toda a parte afetada. “Sempre monitoro, pois tenho familiares que já tiveram a doença. Foi a primeira vez que me aconteceu e espero não repetir essa experiência. Os cuidados e acompanhamento são essenciais para que não haja surpresas como a minha”, complementou. 

Há dois tipos de câncer de pele, o não melanoma, que ocorre principalmente em áreas mais expostas ao sol, como rosto, pescoço e orelhas e o melanoma, que tem origem nos melanócitos, células que produzem a melanina, o pigmento que dá cor à pele; sendo o tipo mais grave, devido à sua alta possibilidade de provocar metástase (disseminação do câncer para outros órgãos). O tipo não melanoma é o mais frequente no Brasil e corresponde a cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no país.  

PARANÁ – De acordo com o Painel de Oncologia, do Ministério da Saúde, em 2020 foram diagnosticados 781 casos de melanoma. Em 2021, esse número foi de 724 casos, o que representa uma redução de 7%. Durante este ano, foram registrados 572 casos, até o mês de outubro. Já para as neoplasias malignas da pele (não melanoma), os números chegam a 5.231 (2020), 5.939 (2021) e 4.579 (2022). 

CUIDADOS - A exposição repetida e prolongada ao sol (raios ultravioletas – UV) e o bronzeamento artificial são fatores de risco para desenvolver câncer de pele. Pessoas de pele e olhos claros, com cabelos loiros ou ruivos e pessoas albinas, ou com histórico familiar ou pessoal de câncer de pele também possuem maior risco de desenvolver a doença. Evitar exposição ao sol entre 10h e 16h, além de aplicar filtro solar (com fator de proteção de no mínimo 15, mesmo em dias nublados), protetor labial, utilizar bonés e chapéus com proteção UV.

PREVENÇÃO - Para auxiliar na identificação do melanoma, uma regra adotada internacionalmente é a do “ABCDE”, que pode apontar sinais da doença:

Assimetria: a forma de uma metade do sinal é diferente da outra;

Bordas irregulares: contorno mal definido;

Cor variável: presença de várias cores em uma mesma lesão (preta, castanha, branca, avermelhada ou azul);

Diâmetro: geralmente maior que 6 milímetros;

Evolução: mudanças observadas em suas características (tamanho, forma ou cor).

A pele é o maior órgão do corpo humano. Fique atento ao seu corpo e se observar qualquer ferimento que não cicatrize em duas semanas, procure o serviço de saúde.

GALERIA DE IMAGENS

Últimas Notícias